sábado, janeiro 14, 2012

Intrigante


Não saberia dizer-te dos meus olhos.
Da sua cor roubada às folhas outonais,
ao mar alto, ao vento breve... horas finais
dos dias  que me vestiam de folhos.

Não saberia contar-te de que falam
as íris esquecidas dos poemas meus;
pequenas as janelas que se alargam
no secreto horizonte dos olhos teus.

As palavras nos meus olhos são intrigantes,
mistérios que poucas almas reconhecem;
são palavras de malas feitas, emigrantes,
prontas p'ra seguir quem as merecem.

O que dizem os meus olhos? Nem eu sei...
Que sou barco, que sou vela, que ao mar me dei?
O que dizem os meus olhos?Nem eu sei!

6 comentários:

tuxeca disse...

Amiga não sabes mas vais descobrir o Universo tu dirá..beijs muitos

Era uma vez um Girassol disse...

Que lindo poema para início do novo ano...Toca a descobrir, Clotilde! Passei pelo chá de rosas mas está quieto!
Então vim dar-te um abraço.
Beijinhos da flor

Eduardo Aleixo disse...

Mas eu sei o que os teus olhos reflectem: a beleza da tua alma. E sei mais: que este poema é lindo, corola de amor escondido, com um barco enfeitiçado junto ao cais, sem coragem de partir sem te levar.

Clotilde S. disse...

Tuxeca,

O Universo pede-me paciência.É uma das minhas lições de vida. :)) Ando a aprender. Muitos beijinhos para ti também, querida amiga.

Clotilde S. disse...

Girassol, linda flor! Obrigada, amiga! Abraço apertado para ti!

Clotilde S. disse...

Edu, e comentavas tu no FB que tinhas feito aqui um comentário tosco.
Hum...tosco, hein?!
Embora virtualmente, deves ter por aí um telescópio qualquer de longo alcance que te permite ler-me tão bem.:))
Beijinhos