segunda-feira, agosto 10, 2009

Pontes


E agora, que dizer?
Que palavras inventar
para escrever a balada do rio,
as imagens espelhadas sobre as águas,
as pontes brancas dos caminhos ainda virgens?
Que dizer, agora?
Tão longe o mar,
longínqua a dança das Musas com Poseidon,
perdida a ilha na memória fossilizada das conchas,
e este torpor nos dedos frágeis das anémonas.
E agora, diz-me, que escrever?
Não nascem flores nos túmulos dos poetas
e as pontes estão todas por fazer.

19 comentários:

Meri Pellens disse...

Falando em rio, lembro que devo como ele fluir, simplismente fluir...
Amiga, tenha uma boa semana. Bj.

angela disse...

Acho que o jeito é contemplar.
Lindo poema, Clo.
abraços

Madrigal disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Madrigal disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Madrigal disse...

Palavras muito belas, de um colorido profundo.Eu tenho andado afastado dos meus poemas, mas espero que a zanga não dure muito mais tempo...

Um beijo

Jorge

Clotilde S. disse...

Meri,

Sim, é importante deixar fluir e deixar que a divina providência provindencie. Mas nunca devemos ir pelo caminho da passividade, sobretudo porque " as pontes estão todas por fazer".

Um abraço de LUZ para ti, querida amiga.

Clo

Clotilde S. disse...

Angela,

Acho que já respondi ao teu comentário, na minha resposta à Meri.

Contemplar, sim, mas meditar, criar planos,VIVER!

Beijos, amiga.

Clo

Clotilde S. disse...

Madrigal,

Fico feliz com om teu regresso e também a tua poesia há-de regressar certamente.

Um abraço,

Clo

Eduardo Aleixo disse...

Lindas são sempre as águas. Não é só o mar que é lindo. As águas calmas e correntes ( em breve postarei um poema sobre estas águas ) levam para o mar a sabedoria e o amor das margens, das aldeias,vilas, cidades, dos seres, das pontes entre as margens, são águas lindas para a serenidade do espírito, mas fonte de sabedoria e de amor. Elas só fazem sentido para nos servirem. Nós, só faremos sentido, se as servirmos, as não poluirmos, as respeitarmos.Mais de 70% de água compõem o nosso corpo.Nós somos água. Um beijo.

Clotilde S. disse...

Sempre inspirados, os teus comentários, Eduardo. Obrigada por assim enriqueceres este meu cantinho, pois a tua amizade e a tua sabedoria são sempre uma benção e uma mais valia.

Leva um beijo e uma água-marinha,

Clo

Vieira Calado disse...

Ola, amiga!

Considero muito bom o seu poema!

Cumprimentos meus

Pitanga Doce disse...

Também eu espero uma ponte que me leve até onde quero ir...e já!

Meri Pellens disse...

Ah, sim, fluir mas sem passividade, claro. Bj, amiga e bom fim de semana.

Clotilde S. disse...

Vieira Calado,

Agradeço a visita e o comentário.

Um abraço,

Clo

Clotilde S. disse...

Pitanguinha,

Arranja-se já uma ponte para ti, nem que seja de corda ou de sisal.

Beijinhos grandes, amiga.

Clo

Clotilde S. disse...

Meri,

Bom fim de semana para ti também.

Beijos grandes, amiga,

Clo

Hod disse...

Lindo Poema Clo.... Tenho uma relação excelente com pontes!!
Construi muitas para chegar até onde cheguei e sei que vou construir muitas outras.. porque dificilmente as encontro prontas...

são as escolhas que faço!!!!
Bjuss!!

Aloha e excelente final de semana

Hod.

Clotilde S. disse...

Bem-hajas, Hod!

Tudo de bom para ti.

Namastê,

Clo

Paula Raposo disse...

Belas as tuas palavras! Beijos.