domingo, agosto 02, 2009

Telas




O seu vestido era uma longa tela branca
onde dedos de pintor um dia desenharam
pétalas de rosas, de fúcsias e de liláses.


Breves impressões de folhas ,
esvoaçantes e etéreas ramagens.

Vestida, lembrava a forte e fresca Primavera.
Dizem que dançava flamenco no terraço da mansão.
Nua, era o calor do Sol de Agosto.

Um mar de perfume !



Visite-me no "Caminhando pela Paz", post de hoje "Alegria - Eleve o seu bem-estar"
e tenha um magnífico Domingo!



6 comentários:

Meri Pellens disse...

Minha amiga, dei uma virada, mas não te deixo. Bj.

Eduardo Aleixo disse...

Que tela mais ardente, a que junta Agosto às flores quentes de um vestido e de um corpo que se liberta frenético com as asas de um flamengo! E eu, que desgosto! de não estar presente nesse gosto!
-----------------
Obrigado pelo selinho, pela tela e pelo calor de Agosto.
-------------------------
Beijo.

Eduardo Aleixo disse...

Bom, enganei-me: queria dizer, no final, nesse Agosto.
Mas , veno bem, nesse gosto,
- Também está bem.
Hoje, tudo rima.
Foi da tela?
Do vestido?
Do corpo?
Da dança?

Clotilde S. disse...

Meri,

Acho bem que não me deixes.
Parecem estar todos de férias, algures sem ligação à rede.

Bem, não posso falar muito porque em Setembro,vou fazer o mesmo.

beijinhos grandes, amiga!

Clo

Clotilde S. disse...

Eduardo, meu bom amigo,

As telas são da autoria dos pintores. Eu, enquanto simles poetisa, limito-me a traduzir por palavras o que elas me transmitem.

Mas estou a ver que em se falando de flamenco, vocês baralham-se todos. He he he Demasiado sol, meu amigo, demasiado sol.he he he haja alegria!

Um abraço de muita amizade,

Clo

Joao P. disse...

O pintor pinta como se vestisse um vestido!

Que metáfora linda Clotilde

Tecelã és tú!

Beijo

João