domingo, maio 17, 2009

As aves meninas


Foto flirck.com



Tocam os sinos
lá nas alturas
e as aves meninas
são brancas, são puras.

Bailarinas no ar
tão leves, tão leves,
que se calam os sinos
para as verem voar.

Das árvores os troncos
erguem-se em desejos,
e suas verdes folhas
aguardam mil beijos.

Mas as aves, corando,
não querem ficar
e partem em bando
abraçar o mar.

Repicam os sinos
por toda a cidade
e choram as árvores...
saudade...saudade!


Clotilde S.


.

16 comentários:

Joao P. disse...

Clotilde:

Gostei muito do teu poema

Saudade, Saudade

Esta liberdade que nos desconcerta

Obrigado pela partilha

João

Maria P. disse...

Gosto dessa gaveta, cheia de tesouros:))

Beijinho, Clo*

Clotilde S. disse...

João,

Também gosto muito deste poema. Surgiu-me um dia em que passeava por um largo aqui da cidade.

Tenho a máquina fotográfica a arranjar senão teria colocado uma foto do local exacto. Nesta imagem, faltam as árvores.

Beijinho e obrigada por teres passado por aqui.

Clo

Clotilde S. disse...

Maria P.,

Na verdade "a gaveta" são uma dezena de disquetes e cadernos, folhas,... eu sei lá...

Vou fazendo uma escolha para a partilha com os amigos.

Beijinhos grandes

Joao P. disse...

Clotilde:

No entanto...

concordo contigo quando dizias noutro dia que os poemas acabam por fazer o seu caminho.

Com ou sem imagem do local próprio, achei-o lindo e entrou no meu imaginário.

Será o que acontece com o livro e o filme? eu, quando leio o livro, já não quero ver o filme!

Beijo

João P.

Clotilde S. disse...

É isso mesmo, João.

A escrita só é nossa enquanto a guardamos na gaveta.

Uma vez publicada,passa a ser do leitor, que a sentirá e viverá a seu modo.

Eu também não gosto de ver um filme depois de ter lido o livro.Fico sempre decepcionada.

Um abraço, amigo!

KrystalDiVerso disse...

Há sempre uma hora de partida,
Há sempre uma hora de chegada,
Horas de saudade contida,
Horas pelas horas saudada;
Há sepre uma asa emocionada,
Há sempre uma asa de despedida,
Há sempre uma asa esperada!

Voos felizes para esta semana

Escolha entre... beijos e abraços

*** Poemas na Pag principal de KrystalDiVerso - "Lágrima de Lua", "Cristal de Abutre Amigo", Abetos Assassinadoa", "Vinho Botado", "O Trabalhador".***

(Talvez valham a leitura;\)

Paula Raposo disse...

Tão lindo, tão doce!! Gostei muito, Clotilde. Beijos.

Eduardo Aleixo disse...

Que lindo o teu poema de avezinhas rabinas puras com fome de mundo : nem sabem como farão inveja ao próprio mar!
Até os sinos se calam!
As árvores que conhecem a leveza e a liberdade do vento não resistiram: estenderam os braços à inocência das asas mais puras!
Se foi numa cidade e era noite, nasceu a madrugada!
Dizem que em momentos destes nascem os génios e os anjos cantam e só as avezinhas leves, como as do teu poema, os podem ouvir...

Eduardo

poetaeusou . . . disse...

*
adorei o teu
belo poema, amiga,
,
com as tuas palavras,
,
entronco o olhar
nas palavras ditas
desejos de mar
nas torres benditas
alturas divinas
feitas liberdade
saudade . . . saudade,
das aves meninas,
,
conchinhas de amizade, deixo
,
*

Clotilde S. disse...

Krystal,
os teus poemas valem certamente a leitura.

Obrigada pela visita.
Um abraço,

Clotilde

Clotilde S. disse...

Paula,
As aves e as meninas são sempre doces, se forem aves meninas, mais doces ainda! :))

Beijinhos**

Clotilde S. disse...

Eduardo,

Acredito em génios e em anjos e em aves que conhecem essas palavras de sabedoria.

Um beijo para ti, Guerreiro de Luz!

Clotilde S. disse...

Poeta amigo,

E eu adorei a volta que deste ao meu mote.

Lindo!

Beijinhos e maresias!

pin gente disse...

as saudades vêm por vezes acompanhadas de lágrimas que nos voam dos olhos.

um beijo
luísa

Clotilde S. disse...

Obrigada por apareceres por aqui, Luísa! :))

Quanto a saudades, há umas mais tristes do que outras, agora bom, bom, é matar saudades.

beijinhos!