quinta-feira, abril 02, 2009

Essa palavra





Não escrever. Não dizer. Não falar.
Ignorar que a Palavra existe.
Guardar a Palavra com todos os seus contornos
Nos recônditos mais secretos da alma.
Ali, onde convive com o pesadelo diário da Ausência,
Onde partilha o caminho escarpado da Saudade.
Guardá-la aqui,no coração, no peito,
Onde as luas e os fogos não adormeceram,
Ainda!

Não soletrar a primeira sílaba.
Não pronunciar sequer a sua primeira letra.
Ignorar a Palavra.
Esconder a Palavra.
Matar a Palavra!

A Palavra não pode existir.
A Palavra não pode viver.
Porque a Palavra acorda fantasmas.
Porque a Palavra corrói!

Mas a Palavra é fecunda.
Renasce.
Copula.
Propaga-se.
A Palavra invade a carne, o sangue, os neurónios!
A Palavra quer possuir.
A Palavra pede.
A Palavra exige!

Urge abandonar a necessidade física da Palavra.
Esquecer a teoria filosófica da Palavra.

Guardar apenas a essência, o perfume, o calor da Palavra.
Guardar apenas as veladas alquimias da Palavra.
Saborear a Palavra nos silêncios crepusculares.

E continuar disfarçando, ignorando, fingindo
Que a Palavra não precisa ser escrita, dita, gritada, sussurrada, gemida!

Essa Palavra...Poesia
Que eu amo Absolutamente!

Clotilde Simões

8 comentários:

Joao P. disse...

Olá Clotilde:

E chamavas-me tu de "poeta"

Parabéns pelo poema, poeta

Bonito, muito bonito

Bjs

João

poetaeusou . . . disse...

*
amei as tuas palavras,
,
Serei tudo o que disserem
por temor ou negação:
Demagogo mau profeta
falso médico ladrão
prostituta proxeneta
espoleta televisão.
Serei tudo o que disserem:
Poeta castrado não!
,
in - Ary dos Santos
,
um vendaval de palavras, envio,
,
*

Eduardo Aleixo disse...

Clotilde, o seu poema é belo e tocou-me, a mim e ao tema que me toca há muito: esse que tão bem focou no seu poema. Cada um expressará a seu modo essa problemática/sentimento. Eu sempre me apeteceu escrever poemas de silêncio. Procurar um poema só com uma palavra. A perfeita palavra. É como vocè diz: o perfume, a essência da palavra. Paradoxo: estamos presos na palavra. Já reparou, seja-me permitido: já reparaste que desejando o silêncio contra a palavra, o tema é tão rico, tão inesgotável, tão utópico, que nos gastamos em palavras? Que elas sejam belas e úteis. Um abraço perfumado.
Eduardo

Clotilde S.(canela_e_jasmim) disse...

João,

E és Poeta!

bjo

Clotilde

Clotilde S.(canela_e_jasmim) disse...

Poeta ,


Magnífico, o Ary!

Grata pela visita.

Com esse vendaval de palavras, vou fazer resmas de poemas!

:))
Bjo

Clotilde S.(canela_e_jasmim) disse...

Eduardo,

Você deixa-me quase sem palavras. :))

Bjo

Clotilde

Ailime disse...

Muitas belas as palavras com que construiu este poema magnífico!
Parabéns pela sua inspiração e bom gosto!
Beijinhos.

Clotilde S. disse...

Ailime,

Beijinho no teu coração.