domingo, abril 02, 2006

Só sei que nada sei

foto Casa da Imagem

-Quando for grande, quero ir para a escola como as primas, para aprender a ler e a escrever e fazer desenhos muito lindos.

E subitamente, senti-me pequenina.
Ao passear por aí estes olhos míopes e cansados ,mas nem por isso menos atentos,dei com textos tão maravilhosamente escritos que me senti de novo aluna da primeira classe ,boquiaberta perante toda a imensidão do abecedário.
Nessa altura, escrever era entregar-me à difícil tarefa de desenhar as letras, com a mãozinha a tremer, no receio de sair das duas linhas paralelas ou de deixar cair um borrão de tinta naquelas folhinhas finas e quase transparentes.
Escrever Cópia e depois continuar o pequeno texto, com muito cuidado a fim de poder chegar à melhor parte - a do desenho.
Com o tempo, a caligrafia foi melhorando e a segurança também.Depois das cópias vieram as composições e mais tarde os poemas, os textos, as tentativas literárias.Tudo muito secreto, com muito medo de mostrar, tudo muito fechado em gavetas, escondido em dossiers.
Mas o tempo passa e a vergonha também.Continuo a achar que a parte mais simples é a da ilustração, sei que tudo o que sei é que nada sei, mas não desisto.

1 comentário:

Menina_marota disse...

Ao ler-te, recuei no tempo e senti-me pequenita (também, não sou agora muito grande...).
E, revi-me vaidosa da letrinha pequenina e redondinha...das cópias e dos ditados... (ai os ditados) e dos textos livres (esses, os meus preferidos a que chamavam redacção...)

Desenhar, nunca foi comigo, a não ser palmeiras e cubatas... (eheh) patinhos e peixinhos...

Um dia, dei comigo a rebuscar um gavetão e, encontrar lá cadernos rebuscados... a partir daí, resolvi desenterrar um passado que até foi bonito e, aos poucos, escrever memórias minhas, que andam espalhadas por aí...

Adorei o teu texto! Desculpa ter-me alongado tanto, mas às vezes, sabe bem "conversar" mesmo que seja aqui...

Um abraço e boa Páscoa ;)