terça-feira, maio 12, 2009

Pássaro verde





Surgiste no meu Tempo,
Silencioso pássaro verde
Sobrevoando a seara gasta do meu Dia.

Abandonara os sonhos e as quimeras.

E voltei a ver o céu pintado de anil,
Infinita tela onde todos os voos são possíveis,
Até o subir lento dos condores no silêncio imenso e alvo das escarpas!

Pensara cortadas as minhas asas,
gastas, esgotadas, as palavras.

Pousaste no meu regaço a mais bela flor,
Que hoje embalo como um filho,
Ao ritmo do pulsar deste peito-chama.

Julgara para sempre secas todas as pétalas do meu secreto jardim.

E hoje canto
uma dulcíssima berceuse.

Voo e canto!

Canto e voo!




22 comentários:

Joao P. disse...

Clotilde:

Poema lindíssimo acompanhado de uma bela foto.

Como vou agorinha mesmo desligar isto, foi mesmo um post excelente para o fim de um dia

Que bom

Beijo

João P.

Maria disse...

Belo. Sereno.
Se voltares a ver um pássaro verde
manda-o até à ilha.
Preciso de voar e cantar
cantar e voar...

Beijo

Clotilde S. disse...

João,

Se precisares de Luz e de Paz antes de desligares, passa pelo meu "Caminhado pela Paz".

Independentemente das tuas crenças religiosas, acredito que te dará serenidade.

Beijo

Clotilde S. disse...

Maria,

Mal veja um pássaro de bela e verde plumagem, mando-o logo para a tua ilha onde sei que será feliz.

Um abraço grande, amiga!****

Eduardo Aleixo disse...

O que fazem os pássaros escondidos nas folhas dos nossos prados secretos. Cantam e a gente não os ouve! Choram e nós, distraídos! Afagam-nos com o bico, e nós não sentimos! Até que um dia... um acenar de folha, um sussurro de vento, um boneco de nuvem ... nos despertam, e damos por nós fora de nós voando com o pássaro que nós somos, felizes, leves, sem tempo, e todo o universo canta ao ritmo do nosso coração... Lindo é o seu poema.
Beijo.
Eduardo

Clotilde S. disse...

Edu,

Obrigada pela visita e por mais este comentário poético.

Beijinhos**

Isabel José António disse...

Cara Amiga Clotilde,

Vim navegando de blog em blog e "aportei" aqui neste seu.

E vejo um poema únci feito de entrelaçamento de dois poemas. Lindíssimo. Parabéns.

E deixo-lhe aqui esta pequena "prenda" que irá sair assim de chofre:

Passaro verde que alto voas
Peregrinando outras paragens
Rasga fronteiras e as coroas
Que te mantêm entre as margens

Existem sempre outras dimensões
Só ao alcance de quem arrisca
Abrir ao mundo os seus corações
Ser a sabedoria que não é arisca

Todo o Ser tem um pássaro interior
Que anseia descobrir céus e lugares
E nele deposita todo o seu amor
Trilhando caminhos com seus vagares

Um grande abraço para si.

José António

Maria P. disse...

Lindíssimo...

Beijinho, Clo*

Clotilde S. disse...

José António,

Fiquei feliz por ter reconhecido o entrelaçado " a duas vozes" no meu poema.

E muito obrigada também pelas quadras que o mesmo lhe inspirou.

Volte sempre.

Um abraço

Clotilde S. disse...

Maria P.

Sem falsa modéstia, sei que este é um tema que te agrada.

Beijinho grande ****

KrystalDiVerso disse...

Interessante este seu blog. Como estou a cair de sono, amanha voltarei para os comentários... merecidos!


Escolha entre... beijos e abraços

Clotilde S. disse...

Então boa noite, Krystal, e até amanhã.

:)) Obrigada pela visita.

Um abraço,

Clotilde

KrystalDiVerso disse...

Uma suave aproximação a Berceuse que Chopin gostaria de explorar e, quem sabe, ensaiaria mais uma variação de embalar a flor que em seu regaço pousou!
Grito revelador desse seu "...pulsar deste peito-chama"; com tal vitalidade, experimentar voar não deve ser díficil para um coração que tão poéticamente saudável bate! Admiravelmente, quando já toda essa vitalidade parecia revelar-se esquecida em seu jardim que fenecia, essa admirável "flor" com que seu Céu anil a presenteou, parece ter devolvido ouro sobre azul que, admiravelmente, a dota de uma fertilidade poética... admirável!

Parabéns por tão agradável "jardim".

Escolha entre... beijos e abraços

Paula Raposo disse...

Um doce poema. Gostei muito. Beijos.

Maria P. disse...

Pois sabes:)

Beijinho, Clo*

Clotilde S. disse...

Krystal,

Muito obrigada! Também gosto de Chopin.

Um abraço*

Clotilde S. disse...

Paula,

É bom ver-te de novo por aqui.

Beijinhos

Clotilde S. disse...

Pois sei, Maria!

beijinhos!

Madrigal disse...

Clotilde, és uma poetisa de primeira água. Tens uma escrita fluída, bem ritmada, sem barroquismos denecessários nem enxertos - daquele tipo que se nota às primeiras que são decalques de outros poetas. Na verdade, aqui pelo universo bloguista há imensas pessoas com uma verve incrível. Parabéns e um beijo grande. Um abraço ao teu filho, o orgulho dos teus olhos.

Jorge

PS. Obrigado pelas tuas visitas.

poetaeusou . . . disse...

*
Belo poema,
surgido do tempo, teu,
,
bonito post, amiga,
,
conchinhas nocturnas, deixo,
,
*

Clotilde S. disse...

Jorge,

Como sabes, neste mundo virtual as coisas não são muito diferentes do mundo lá fora. Há coisas melhores, coisas piores e coisas que não valem nada porque não passam de cópias, de colagens e até de verdadeiros plágios.

Já ando por aqui há muito tempo e nem sempre publico o melhor de mim, porque já me aconteceu ler originais meus com outra assinatura. houve ma altura em que me aborreci e até desisti da net, mas agora já nem me importo.

Se escrevo é para alguém me leia e já concluí que, quando publico, o poema deixa de ser meu e cumpre o seu destino.

Não pretendo agradar a Gregos e a Troianos e sempre escrevi de forma simples e honesta dando voz à alma, ao coração, à fantasia, à criatividade.

Fico feliz por apreciares e é com sinceridade que afirmo gostar igualmente da tua escrita e do teu sentir. É como dizes,há pessoas com uma verve extraordinária aqui na net.

Um abraço de amizade.

Clotilde S. disse...

Poeta amigo,

Obrigada pela visita e pelo cheiro da maresia.

:)))


Beijinhos,
Clo